Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘subliminar’

 

Satanism

 

Lutero explica o Segundo Mandamento : “Não tomarás o nome do Senhor
teu Deus em vão” , como segue:

Devemos temer e amar a Deus e então não amaldiçoar, jurar, usar artes satânicas, mentir ou enganar pelo Seu nome, mas invocá-lo em todas as necessidades, orar, louvar e dar graças .

Pessoalmente, eu sempre achei o comentário de Lutero sobre as artes satânicas curioso. Certamente os cristãos não devem se envolver com o ocultismo, mas isto não é óbvio? O “Artes Satânicas” inclui coisas como feitiçaria, bruxaria, adivinhação, adoração ao diabo, etc, cristãos não estão imunes a participar destas coisas, então talvez o lembrete de Lutero é bem-vindo, no final das contas.

Mas as artes satânicas nem sempre aparecem em formas tão grosseiras como estas. Como alguém que procura se disfarçar como um “anjo de luz” (2 Coríntios 11:14), Satanás, muitas vezes, nos envolve com formas mais sutis de suas artes, a maior das quais é apresentar uma falsa doutrina como se fosse divina. Satanás é um mestre do engano, e até mesmo as igrejas da Galácia, apesar de ter ouvido São Paulo pregar ( Gálatas 1:8 ), eram suscetíveis à falsa doutrina. Em Gálatas 3:01, o apóstolo lamenta: “quem vos fascinou (encantou) a vós?”

Lutero descreve este “fascínio”, ou “encanto” como algo que ocorre quando o diabo nos faz ver ou ouvir coisas que não estão realmente lá. Ele escreve:

“Assim, Satanás tem a capacidade incomum para tocar todos os sentidos de tal forma que você jura que viu, ouviu ou sentiu algo que você nunca viu, ouviu, etc ” [1]

Este encantamento, ou feitiçaria, pode ocorrer tanto no plano físico quanto no espiritual. No plano físico, ele pode ser tão simples como imaginar que você viu ou ouviu algo assustador. No reino espiritual, envolve ver ou ouvir coisas nas Escrituras que não estão realmente lá, ou seja, a falsa doutrina. Lutero nos adverte a nos proteger contra esta bruxaria espiritual, onde o diabo trabalha internamente, com opiniões plausíveis e idéias sobre a doutrina, por que, como eu já disse, ele consegue “enfeitiçar” os corações dos homens ao ponto que eles juram que suas ilusões mais fúteis e ímpias são a mais certa verdade . [2]

Deve-se observar, em primeiro lugar, que Lutero descreve essa falsa doutrina como “opiniões plausíveis”, que as pessoas “juram” que são “a mais certa verdade.” Ou seja, elas parecem ser os ensinamentos mais perfeitamente razoáveis ​​para a mente racional. Portanto, devemos estar constantemente em guarda contra opiniões que soam ortodoxas, sendo que, na verdade, contrariam a Palavra de Deus.

Mais recentemente , o papa Francisco emitiu uma “opinião que soa bem ortodoxa”, em que ele afirmou que “a misericórdia de Deus não tem limites, se alguém se vira para ele com um coração sincero e contrito, a questão para quem não acredita em Deus está na obediência a própria consciência”. [3 ] De acordo com o papa, você não precisa acreditar em Deus, e muito menos Jesus, para ser salvo. Tudo o que é necessário é “obedecer a própria consciência.”

O Catecismo da Igreja Católica afirma esta doutrina quando diz que os que não conhecem o Evangelho de Cristo não por culpa própria, e a Sua Igreja, mas que, no entanto, busca a Deus com um coração sincero, e, movido pela graça, tente em suas ações fazer a vontade de Deus que eles conhecem através da sua própria consciência – estes também podem alcançar a salvação eterna. [4]

A idéia de que a salvação existe para aqueles que não ouviram o Evangelho é agradável o suficiente para a mente racional. Mas este ensinamento é problemático porque contraria Escritura, que afirma que Jesus é o único caminho para o Pai, para além de quem não há salvação; que nossas obras não contam nada diante de Deus, e, se for assim, então Cristo morreu em vão (João 14:6, Atos 4:12, Romanos 3:20, Gálatas 2:21).

Uma maneira que Satanás nos levou a reduzir nossas defesas contra a falsa doutrina é mudando a nossa forma de falar sobre isso. Não mais comumente se referem aqueles que ensinam falsa doutrina como sendo ” enfeitiçado ” (Gl 3:01 ), ou praticantes da arte satânica. Em vez disso , adotamos uma linguagem que coloca a doutrina falsa em pé de igualdade como a verdade do Evangelho. O que São Paulo e Lutero chamaram de feitiçaria, hoje chamamos de “interpretações”.

 

Essa linguagem pode parecer à primeira vista neutra, como se estivéssemos recusando de fazer um julgamento da verdade ou erro de um ensinamento. Mas, na verdade, isso é um julgamento, estamos dando uma mesma legitimidade a todos os pontos de vista. Assim também a doutrina da presença real é vista como apenas mais uma “interpretação” das palavras da instituição, juntamente com a “interpretação” de que é algo simbólico (como se fossem igualmente válidos). Para dar a impressão de que a falsa doutrina é uma mera interpretação ao invés de bruxaria ou as arte satânica cresce com a preocupação de evitar ofender as pessoas a todo custo, mesmo que isso signifique ofender a Deus.

Tornar a falsa doutrina como algo divino é a mais alta das artes satânicas. Satanás fica satisfeito quando uma apresentação grosseira da doutrina faz efeito, mas quando isso não funciona, ele não vai desistir. Ele é um mestre da meia-verdade, e até mesmo da “verdade maior”. Ele vai preservar o máximo da verdade, se necessário, de modo a tornar seu ensino atraente, até mesmo divino. Mas até mesmo uma ligeira impureza é suficiente para tornar uma doutrina letal. Um pouco de fermento leveda toda a massa (1 Coríntios 5:6). Se formos nos proteger contra a arte satânica de impureza doutrinária, devemos nos aplicar diligentemente para a distinção adequada entre Lei e Evangelho, a maior arte para o
cristão. Tornando-se hábil nesta arte é a melhor maneira de se proteger contra as artes satânicas e santificar o nome de Deus.

Porque o nome de Deus é santificado “quando a Palavra de Deus é ensinada em sua verdade e pureza, e nós, como filhos de Deus, também devemos levar uma vida santa de acordo com ela”. [5] Que o nosso querido Pai do céu nos ajudar a fazer isto.

[1] cf . a edição americana de Palestras de Lutero sobre Gálatas (
1535 ) , p. 191 .

[2 ] Ibid . , 192.

[3 ]http://www.zenit.org/en/articles/pope-francis-letter-to-the-founder-of-la-repubblica-italian-newspaper

[4] Cf. Catecismo da Igreja Católica , n 847 , citando a Lumen
Gentium do Papa Paulo VI .

[5] Lutero, Catecismo , a explicação da primeira petição.

Traduzido de: Steadfast Lutherans

Anúncios

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: