Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘igreja’

Luteranos e sua vida social

Luteranos e sua fé na vida social

“Qual é a relação entre as doutrinas da justificação e santificação, e a ética luterana?”

Para responder a essa pergunta, três tópicos devem ser analisados e devidamente sintetizados. Em primeiro lugar, tanto justificação e santificação deve ser definidos, comparando e contrastando-os uns com os outros. A segunda é que a forma da vida cristã santificada deve ser explorada e descrita. O último tópico é explicar a sua relação com a ética.

“Justificativa” é geralmente definida como a explicação ou razão para uma determinada ação ou ocorrência. Por exemplo, a minha “justificativa” para estar atrasado para a aula pode ser que foi um acidente de carro na minha frente na estrada que tornou a viagem excepcionalmente longa. No caso do cristão, a “justificativa” que necessitamos é a razão pela qual somos capazes de permanecer como seres humanos pecadores diante de um Deus perfeitamente justo, essa razão é chamada de “justificação”, porque somos justificados em por uma razão aceitável (aceitável para Deus, no nosso caso). Para evoluir a este ponto, os seres humanos são justificados diante de Deus porque o que Filho encarnado do Pai, Jesus de Nazaré, fez através de sua vida e morte expiatória. Esta “justificação” não é em qualquer forma merecida pela humanidade, mas é oferecida gratuitamente aos seres humanos por Deus. Os seres humanos se apropriam para si mesmos os benefícios desta oferta, isto é, ser capaz de estar diante de Deus, apesar de nossa pecaminosidade, apenas pela confiança nEle. Esta confiança é criada em nós pelo próprio Deus Espírito Santo, quando a mensagem desta “justificação”, a boa notícia ou Evangelho de Jesus, é pregada ou ensinada. Desta forma, podemos dizer que a justificação é oferecida pela misericórdia de Deus, Somente pela Graça (Sola Gratia), e apropriada pela confiança, ou, somente pela fé (Sola Fide). Assim, “justificação” é o “caminho” cristão para a relação estabelecida entre todos os seres humanos e Deus por Jesus, em um sentido, e entre os seres humanos individualmente e Deus pela confiança em Jesus, de uma forma mais particular.

(mais…)

Read Full Post »

 

Satanism

 

Lutero explica o Segundo Mandamento : “Não tomarás o nome do Senhor
teu Deus em vão” , como segue:

Devemos temer e amar a Deus e então não amaldiçoar, jurar, usar artes satânicas, mentir ou enganar pelo Seu nome, mas invocá-lo em todas as necessidades, orar, louvar e dar graças .

Pessoalmente, eu sempre achei o comentário de Lutero sobre as artes satânicas curioso. Certamente os cristãos não devem se envolver com o ocultismo, mas isto não é óbvio? O “Artes Satânicas” inclui coisas como feitiçaria, bruxaria, adivinhação, adoração ao diabo, etc, cristãos não estão imunes a participar destas coisas, então talvez o lembrete de Lutero é bem-vindo, no final das contas.

Mas as artes satânicas nem sempre aparecem em formas tão grosseiras como estas. Como alguém que procura se disfarçar como um “anjo de luz” (2 Coríntios 11:14), Satanás, muitas vezes, nos envolve com formas mais sutis de suas artes, a maior das quais é apresentar uma falsa doutrina como se fosse divina. Satanás é um mestre do engano, e até mesmo as igrejas da Galácia, apesar de ter ouvido São Paulo pregar ( Gálatas 1:8 ), eram suscetíveis à falsa doutrina. Em Gálatas 3:01, o apóstolo lamenta: “quem vos fascinou (encantou) a vós?”

Lutero descreve este “fascínio”, ou “encanto” como algo que ocorre quando o diabo nos faz ver ou ouvir coisas que não estão realmente lá. Ele escreve:

“Assim, Satanás tem a capacidade incomum para tocar todos os sentidos de tal forma que você jura que viu, ouviu ou sentiu algo que você nunca viu, ouviu, etc ” [1]

Este encantamento, ou feitiçaria, pode ocorrer tanto no plano físico quanto no espiritual. No plano físico, ele pode ser tão simples como imaginar que você viu ou ouviu algo assustador. No reino espiritual, envolve ver ou ouvir coisas nas Escrituras que não estão realmente lá, ou seja, a falsa doutrina. Lutero nos adverte a nos proteger contra esta bruxaria espiritual, onde o diabo trabalha internamente, com opiniões plausíveis e idéias sobre a doutrina, por que, como eu já disse, ele consegue “enfeitiçar” os corações dos homens ao ponto que eles juram que suas ilusões mais fúteis e ímpias são a mais certa verdade . [2]

Deve-se observar, em primeiro lugar, que Lutero descreve essa falsa doutrina como “opiniões plausíveis”, que as pessoas “juram” que são “a mais certa verdade.” Ou seja, elas parecem ser os ensinamentos mais perfeitamente razoáveis ​​para a mente racional. Portanto, devemos estar constantemente em guarda contra opiniões que soam ortodoxas, sendo que, na verdade, contrariam a Palavra de Deus.

Mais recentemente , o papa Francisco emitiu uma “opinião que soa bem ortodoxa”, em que ele afirmou que “a misericórdia de Deus não tem limites, se alguém se vira para ele com um coração sincero e contrito, a questão para quem não acredita em Deus está na obediência a própria consciência”. [3 ] De acordo com o papa, você não precisa acreditar em Deus, e muito menos Jesus, para ser salvo. Tudo o que é necessário é “obedecer a própria consciência.”

O Catecismo da Igreja Católica afirma esta doutrina quando diz que os que não conhecem o Evangelho de Cristo não por culpa própria, e a Sua Igreja, mas que, no entanto, busca a Deus com um coração sincero, e, movido pela graça, tente em suas ações fazer a vontade de Deus que eles conhecem através da sua própria consciência – estes também podem alcançar a salvação eterna. [4]

A idéia de que a salvação existe para aqueles que não ouviram o Evangelho é agradável o suficiente para a mente racional. Mas este ensinamento é problemático porque contraria Escritura, que afirma que Jesus é o único caminho para o Pai, para além de quem não há salvação; que nossas obras não contam nada diante de Deus, e, se for assim, então Cristo morreu em vão (João 14:6, Atos 4:12, Romanos 3:20, Gálatas 2:21).

Uma maneira que Satanás nos levou a reduzir nossas defesas contra a falsa doutrina é mudando a nossa forma de falar sobre isso. Não mais comumente se referem aqueles que ensinam falsa doutrina como sendo ” enfeitiçado ” (Gl 3:01 ), ou praticantes da arte satânica. Em vez disso , adotamos uma linguagem que coloca a doutrina falsa em pé de igualdade como a verdade do Evangelho. O que São Paulo e Lutero chamaram de feitiçaria, hoje chamamos de “interpretações”.

 

Essa linguagem pode parecer à primeira vista neutra, como se estivéssemos recusando de fazer um julgamento da verdade ou erro de um ensinamento. Mas, na verdade, isso é um julgamento, estamos dando uma mesma legitimidade a todos os pontos de vista. Assim também a doutrina da presença real é vista como apenas mais uma “interpretação” das palavras da instituição, juntamente com a “interpretação” de que é algo simbólico (como se fossem igualmente válidos). Para dar a impressão de que a falsa doutrina é uma mera interpretação ao invés de bruxaria ou as arte satânica cresce com a preocupação de evitar ofender as pessoas a todo custo, mesmo que isso signifique ofender a Deus.

Tornar a falsa doutrina como algo divino é a mais alta das artes satânicas. Satanás fica satisfeito quando uma apresentação grosseira da doutrina faz efeito, mas quando isso não funciona, ele não vai desistir. Ele é um mestre da meia-verdade, e até mesmo da “verdade maior”. Ele vai preservar o máximo da verdade, se necessário, de modo a tornar seu ensino atraente, até mesmo divino. Mas até mesmo uma ligeira impureza é suficiente para tornar uma doutrina letal. Um pouco de fermento leveda toda a massa (1 Coríntios 5:6). Se formos nos proteger contra a arte satânica de impureza doutrinária, devemos nos aplicar diligentemente para a distinção adequada entre Lei e Evangelho, a maior arte para o
cristão. Tornando-se hábil nesta arte é a melhor maneira de se proteger contra as artes satânicas e santificar o nome de Deus.

Porque o nome de Deus é santificado “quando a Palavra de Deus é ensinada em sua verdade e pureza, e nós, como filhos de Deus, também devemos levar uma vida santa de acordo com ela”. [5] Que o nosso querido Pai do céu nos ajudar a fazer isto.

[1] cf . a edição americana de Palestras de Lutero sobre Gálatas (
1535 ) , p. 191 .

[2 ] Ibid . , 192.

[3 ]http://www.zenit.org/en/articles/pope-francis-letter-to-the-founder-of-la-repubblica-italian-newspaper

[4] Cf. Catecismo da Igreja Católica , n 847 , citando a Lumen
Gentium do Papa Paulo VI .

[5] Lutero, Catecismo , a explicação da primeira petição.

Traduzido de: Steadfast Lutherans

Read Full Post »

inquisition1

Hoje em dia no Brasil há uma briga muito grande entre irmãos por causa de política. Bom, na Igreja Cristã sempre houve brigas entre irmãos, sempre há o pecado nos assediando e sempre cedemos às tentações de querer nos auto-afirmar sobre os outros, ou à tentação da intolerância e egoísmo e nos fechamos a entender os motivos de nosso irmão em Cristo ter sua opinião política, esquecemos que o mesmo sangue que nos lava lavou a ele também, que o mesmo espírito que nos aperfeiçoa, aperfeiçoa a ele também, ou aproveitamos a oportunidade para nos auto afirmar e mostrar nossa “sabedoria” e “pensamento evoluído” sobre o assunto quebrando o pau e esculachando gente que é da mesma família cristã que a nossa. É sempre assim. Se é não por um motivo, é por outro. Se não houver motivo, a gente inventa um. E uma das bolas da vez é a política. Durante a Reforma, não foi diferente, houve muita discussão e debate a respeito, até mesmo guerras e assassinatos entre irmãos na mesma fé por causa disso. Vamos entender o que houve.

Um dos pontos trabalhados pela Reforma foi a questão da relação entre a Igreja Cristã e o Estado. Na Igreja Católica, o Chefe da Igreja, o Papa é superior aos chefes de Estado. Segundo eles Deus é o Rei da terra, então é natural que o chefe da Igreja seja representante de Deus entre os estadistas também. Com as reformas que aconteceram durante a reforma protestante  (Isso mesmo! ReformaS! Não houve uma só. Cada região teve um estilo diferente de buscar por reformas na Igreja, com características diferentes e doutrinas diferentes), as pessoas não estavam mais sob obrigação de obedecer os mandos e desmandos dos padres, bispos, cardeais e do Papa, então se perguntavam se essa desobrigação também se estendia ao Estado.

Lembrando que na época o sistema na maioria da Europa era o feudalismo e as pessoas deveriam obedecer príncipes, reis, conselhos, enfim, cada região tinha seu sistema organizacional, alguns eram monarquistas, outros principados, outros mais democráticos, cada lugar tinha sua própria forma de governo e cada país tinha seus “feudos” (cidades, principados, reinos, condados, etc), por isso certos países, como a Suíça e a Alemanha,  não adotaram a Reforma Protestante na totalidade de seu território, na época. E lembrando também que as pessoas ainda não tinham bíblias e a maioria era analfabeta, então não tinham acesso às Escrituras sagradas e não sabiam por si mesmas a doutrina cristã, mas tinham que aprender dos clérigos e pregadores sobre as Escrituras, por isso não sabiam direito o que fazer a respeito do Estado.

As Reformas (Luterana, Zwingliana/Calvinista, Anabatista e Anglicana) deram respostas diferentes para essa questão, vejamos:

(mais…)

Read Full Post »

Ainda é difícil de entender direito o porque, mas toda vez que uma pessoa se identifica como *Calvinista entre evangélicos, as reações são quase sempre de repulsa, estranhamento, preconceito e até mesmo de agressividade. Parece que o simples fato de levantar uma bandeira hoje, nesses tempos pós-modernos onde relativismo é lei, inclusive entre cristãos, ofende qualquer “cidadão de bem”, geralmente resistente a qualquer alteração de status quo social vigente. Não estou fazendo “vitimismo” com os calvinistaa, até porque atualmente sou luterano e biblicamente a aceitação ou não do calvinismo não é relevante para a salvação. Calvinismo é uma fortíssima forma bíblica de pensar o cristianismo, considerada a mais bíblica pelos seus adeptos (por isso aderem ao calvinismo.. Dã!), mas o fato é que a salvação é totalmente pela graça (Ef. 2:8-10) e que somos iguais perante o Senhor Deus (Atos 10:34/ Rom 3:23), então a tentativa de ser mais bíblico ou mais “santo” não torna ninguém mais agradável a Deus, nem superior a ninguém, pois todos precisamos da graça comum, distribuída a todos, e da graça salvadora do Senhor, distribuída a seus eleitos que em nada têm algum mérito para isso para que se possa comparar com outra pessoa.

Eu vejo que hoje ser “calvinista” ou “neo-calvinista” é até uma moda entre evangélicos brasileiros, principalmente entre universitários que estão em plena efervecência acadêmica e se encantam com os argumentos dos teólogos calvinistas. Talvez por ser moda, muitos estão usando a fé reformada como forma de auto-afirmação, sendo arrogantes e agressivos com os outros, mostrando que eles estão certos e todos os outros estão errados. Vejo muito disso em redes sociais, blogs, etc.. Confesso que isso me irrita muito também..

Muitos, querendo não tomar parte dessa briga idiota toda entre variantes teológicas que podem coexistir muito bem, mesmo sendo opostas e opostas entre si (o cristianismo encanta pela diversidade, não?), dizem que são “neutros” e usam a passagem bíblica onde Paulo repreende os coríntios que conflitavam entre si sobre quem seria o melhor pregador e se diziam discípulos do que consideravam melhor, fosse Paulo, fosse Apolo. Segue abaixo a repreensão de Paulo:

Porque, dizendo um: Eu sou de Paulo; e outro: Eu de Apolo; porventura não sois carnais?

Pois, quem é Paulo, e quem é Apolo, senão ministros pelos quais crestes, e conforme o que o Senhor deu a cada um? (1 Cor 3:4,5)

Dizem que ao tomar partido entre Calvinismo e Arminianismo, estamos nos comportando como os coríntios que tinham esse tipo de divisão. Bom, essa não é a verdade. Vejamos.

(mais…)

Read Full Post »

Ir na Igreja = Ser igreja

Ir na Igreja = Ser igreja

“Não há salvação fora da Igreja!”

Essa é uma frase dita pelos primeiros cristãos, que inclusive em dos primeiros credos insistiam em dizer “Creio na Santa Igreja”, como vemos documentada em pais da Igreja, como Agostinho (430), Justino (165), Irineu (200), e confirmada também por reformadores, como Calvino e Lutero, e em credos e confissões de fé protestantes.

Alguns, de forma equivocada (como em pessoas onde reconhecemos amor e obediência a Deus, e fé irrestrita na Palavra de Deus), ou de forma maldosa mesmo (como vemos certos falsos profetas, barbudos ou não, pela internet) têm dito que quando nós reproduzimos que não há salvação fora da Igreja Cristã que nos referimos a denominações religiosas e templos.

Uma simples pesquisa sobre a história da Igreja Cristã já desmistifica essa alegação. Se os protestantes fossem mesmo a favor de que somente em instituições humanas e templos que somos salvos, não teríamos saído da Igreja Católica. Isso não faz mesmo o menor sentido.

(mais…)

Read Full Post »

Ulrich Zwingli - Reformador Suiço anterior a João Calvino

Ulrich Zwingli – Reformador Suiço anterior a João Calvino

A REFORMA ZUINGLIANA

A Suíça, ao tempo da Reforma, já era o território mais livre da Europa, embora fizesse parte do Santo Império Romano. As cidades Suíças eram importantes centros de cultura e nelas se instalou também o humanismo, que foi fundamental à Reforma Suíça. Foi em Basileia que Erasmo editou o seu Novo Testamento grego, o qual serviu de base à tradução de Lutero.

(mais…)

Read Full Post »

A gente zoa, trolla, tira um sarro, mas evitem sentir raiva das pessoas que falam heresias, tentem avaliar se a pessoa é mesmo mal-intencionada, ou se ela apenas está equivocada, se apenas não tem conhecimento bíblico e por isso fala besteira.

Se der para identificar que a pessoa é mesmo mal intencionada, é falsa no cristianismo, nosso papel é evitar pessoas assim e alertar os irmãos contra os falsos profetas, mas tomar cuidado que nós também não sejamos condenáveis em nossas reações. Os apóstolos e profetas, inspirados pelo Espírito comentaram, condenaram, até mesmo xingaram os falsos irmãos, mas tomavam cuidado por eles mesmos, para avaliarem conforme a Palavra de Deus. Devemos condenar essas heresias e desaconselhar sim o envolvimento com os falsos profetas, como a Bíblia diz, mas também orar por esses “inimigos”, como também a Bíblia diz, evitar um sentimento impuro, ou mesmo pecaminoso, por essas pessoas. Deus é justo quando odeia e misericordioso quando ama, nós somos pecadores, não temos esse equilíbrio, por isso é bom evitar as obras da carne e frutificar conforme o fruto do Espírito nesses casos, mesmo odiando as heresias e abominações que tais falsos profetas cometem. Não sabemos os planos de Deus para eles, Deus pode se apiedar e salvar algum deles. Vamos ser vigilantes.

Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens. Romanos 12:18
Ora, as obras da carne são manifestas: imoralidade sexual, impureza e libertinagem; idolatria e feitiçaria; ódio, discórdia, ciúmes, ira, egoísmo, dissensões, facções e inveja; embriaguez, orgias e coisas semelhantes. Eu os advirto, como antes já os adverti, que os que praticam essas coisas não herdarão o Reino de Deus.
Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Contra essas coisas não há lei.  Gálatas 5:19-23
Se identificarmos que a pessoa é equivocada, não é conhecedora da Bíblia, então nossa atitude pode ser diferente. Podemos acolher o mais fraco, ajudar a entender melhor as coisas de Deus e está aí uma boa oportunidade de ajudar a Igreja a se edificar e levar pessoas a um relacionamento mais profundo com Jesus. Podemos sim tirar um sarro da burrada, condenar a atitude errada, alertar para o erro, mas tomar cuidado que nosso coração não seja condenável.

Mas, o que sai da boca, procede do coração, e isso contamina o homem. Porque do coração procedem os maus pensamentos, mortes, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias. São estas coisas que contaminam o homem. Mateus 15:18-20
Ora, o fim do mandamento é o amor de um coração puro, e de uma boa consciência, e de uma fé não fingida. 1 Timóteo 1:5

Temos que tomar cuidado com as sentenças que damos às pessoas. Sejamos justos, vamos combater a heresia e o pecado, mas com o coração puro e cheio de amor pelos perdidos, para quem cheguem ao conhecimento da Verdade, como a nós também foi revelada pelo Espírito Santo.

Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça. (João 7:24)
Aquele que diz que está na luz, e odeia a seu irmão, até agora está em trevas.
Aquele que ama a seu irmão está na luz, e nele não há escândalo.
Mas aquele que odeia a seu irmão está em trevas, e anda em trevas, e não sabe para onde deva ir; porque as trevas lhe cegaram os olhos.
Filhinhos, escrevo-vos, porque pelo seu nome vos são perdoados os pecados. 
1 João 2:9-12

Ah! Sobre o título.. Não estou entrando na onda do Rick Warren, ok? Foi só para chamar atenção mesmo.. hehehe.

Read Full Post »

Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: